Episódio 3: Como a lenda e a tecnologia se completam

Mariana Valverde

Unir folclore e tecnologia é o ideal para que a nova geração conheça uma mitologia clássica, cheia de mistérios e representações. No entanto,  manter tradições literárias com histórias contemporâneas é essencial para que possamos dar continuidade às conexões com o Folclore Brasileiro.

A influência do Folclore na nova geração parte de dois pontos: livros e podcasts. São esses temas que farão parte do terceiro episódio da série de reportagens especial da Revista ComTempo.

Como são dois temas, também é ao quadrado o número de protagonistas deste episódio e começamos justamente com Junior Salvador, autor do livro “Contos Fantásticos do Folclore Brasileiro”.

Foto do Autor
Júnior Salvador é autor do livro “Contos Fantásticos do Folclore Brasileiro”.

Foi o fato de crescer em uma cidade pequena, que fez Salvador ter contato com o Folclore pela primeira vez, de maneira natural: “manifestou-se logo cedo com as cantigas de roda entre os amigos; as aulas de capoeira; os provérbios ditos insistentemente por meu avô, mesmo ele não sabendo que passava adiante coisas que entraram na vida do povo muitas gerações antes”.

Nascido em Rancharia, zona oeste do interior paulista, seus primeiros anos de vida foram na zona rural, com poucos habitantes e muitas histórias para se ouvir.

Nosso segundo protagonista é mais acostumado a usar a voz para apresentar o Folclore. Seu nome é Andriolli Costa, criador do podcast Poranduba.  Foi em Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul, de onde é, que começou a ouvir as lendas e escutou, pela primeira vez, sobre o Sací, seu personagem preferido. 

Foto (Rede Social)
Andriolli Costa leva a cultura do folclore no ouvido das pessoas, através de seu podcast. (Foto: Rede Social).

Segundo Costa, Poranduba significa “histórias fantásticas” e o termo é originário do Tupi. “A ideia é mostrar não apenas que a cultura popular contém narrativas maravilhosas, mas, também, que toda pessoa – mesmo que anônima – é fonte de histórias fantásticas em sua vida”, diz o jornalista.

As histórias contadas por diferentes meios

As narrativas literárias de Júnior Salvador foram publicadas em três livros:

O primeiro, “Contos Fantásticos do Folclore Brasileiro”, conta aventuras avulsas do folclore em geral. O enredo conta com o Saci sequestrado, Curupira e Caipora em batalha mortal, a Cuca em busca de uma criança desobediente… “Essas são apenas algumas das histórias. A ideia inicial foi de não tratar o tema de forma infantil”.

O segundo livro inicia a saga “A Maldição do Eldorado”, com “Curupira – A Árvore da Vida” e fala da origem dos personagens folclóricos, colocando-os em um ambiente semelhante ao nosso tempo.

Capa_Saci - O menino e a lenda - Cópia
Capa do livro ‘Saci- O Menino e a Lenda, escrito por Júnior.

O segundo livro dessa saga, chamado “Saci – O menino e a lenda”, fala de Samuel,  menino pobre que vive nas ruas da Baía de Todos os Ventos e tem a vida mudada pela capoeira. Essa saga ainda terá duas continuações e contará com outros dois livros, “Iara – Guerreira das Águas” e “A maldição do Eldorado”, com lançamentos previstos para  2020 e 2021, respectivamente.

Além dessas publicações, Salvador realizou projeto com o escritor Wesnen Tellurian. O livro “Quando a Lenda Ganha Vida” é uma abordagem diferente sobre mitos do Folclore.

No fone de ouvido 

O Poranduba nasceu em maio de 2018 e alterna entrevista e reflexão a cada episódio. “Nele consigo explorar o folclore em interface com o cotidiano, mostrando que essas coisas não estão desconectadas. Já falei sobre folclore e diversidade, contos populares como estratégia de abordar educação sexual na escola, sobre o racismo inerente ao relato de folcloristas do século passado”. Andriolli ainda abriu espaço para o diálogo, levando contadores de histórias, indígenas e escritores para mostrarem suas histórias e pontos de vista.

A preservação tem que partir do povo

Para Andriolli Costa, o podcast é uma extensão da oralidade. “Já recebi muita mensagem de gente que chorou ouvindo o programa, de gente que se sentiu tão dentro do relato que o sentimento emergiu. É um encontro poderoso entre tecnologia e a ancestral arte de contar histórias”.

 O podcast “Poranduba” você encontra disponível no Spotify.

Já para Salvador, precisamos ter consciência da riqueza de nossa história. “Se encontrarmos a abordagem certa, o folclore volta com tanta força que não vai demorar muito para estarmos indo ao cinema assistir filmes sobre o Saci, vestindo uma camiseta do Curupira”.

Outra questão que engrandece a infeliz desvalorização da cultura é a questão religiosa. “Quando os portugueses chegaram ao Brasil, logo trataram demonizar todas as crenças que os índios possuíam. Assim, Padre Anchieta é o primeiro a escrever sobre muitos dos nossos mitos e, quase sempre, relacionando-os com coisas ruins”, diz Salvador.

E Andriolli complementa: “É um longo caminho este de desnaturalizar conceitos pré-concebidos e promover o reencanto”.

A gratidão pelo folclore

“Cada um dos nossos estados possui sua riqueza histórica e tradições que merecem ser conhecidas e devem ser respeitadas. O que fica nesse mês de agosto, no qual é comemorado o Dia do Folclore é a esperança por dias menos enevoados, onde possamos admirar com clareza a força e os atributos das nossas próprias histórias. Precisamos valorizar nosso país, nossas tradições e nosso povo. Escrever foi a forma que encontrei para dar minha pequena contribuição”, finaliza Junior Salvador.

Já Andriolli Costa, ao ser questionado sobre a representação dessa cultura na sua vida, é singelo: “Um sinônimo”.

É com a singelidade de Andriolli e seus podcasts culturais e com a garra da escrita de Júnior que o terceiro episódio chega ao fim. Mas, não pense você que a união entre a tecnologia de ouvir o folclore no seu fone de ouvido e a clássica maneira de folhear um bom livro sobre o tema encerra a discussão sobre como fazer viver o Folclore nos dias atuais. 

No episódio de amanhã, o de número 4, Anderson Awvas nos mostra a incrível trajetória de ilustrações que acabaram tornando-se o maior evento virtual de folclore do Brasil.

Você não pode perder.

Leia o próximo episódio

Fale com a gente!

 

Deixe uma resposta