Episódio 5: suicídio, a influência positiva e negativa da mídia

Você já parou e se questionou sobre até que ponto a mídia pode influenciar em uma vida? Novelas, filmes e séries são entretenimentos de massa, que devem ser saudáveis e, quando polêmicos, que sejam para ajudar na discussão social e a prevenir doenças e aconselhar corretamente a sociedade a agir em ocasiões especificas. Mas, nem sempre é isso que acontece…

No episódio final da série especial da ComTempo sobre saúde mental, vamos tratar esse assunto que tanto gera burburinhos pela internet: a influência da mídia na sociedade e até onde isso tem a ver com o suicídio.

Para discutir esse tema com a gente, convidamos a enfermeira Camila Corrêa Matias Pereira, mestre pela Universidade Federal de São João del Rei; doutoranda pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem Psiquiátrica da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; integrante do Centro de Educação em Prevenção e Posvenção do Suicídio – CEPS.

Segundo Pereira, a mídia possui papel ativo na prevenção ao suicídio, “pois tem um lugar significativo na sociedade atual, proporcionando informações que podem influenciar o comportamento, as atitudes, crenças, práticas políticas, econômicas e sociais”.

“Quando existe um problema social, também existe a responsabilidade social”

O suicídio gera muito preconceito na sociedade, que ainda tenta lidar com diversas formas de desmistificar informações errôneas. Além disso, é função social prevenir e lutar pela cura da depressão, doença que atinge cerca de 11 milhões de brasileiros, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde).

Nessa responsabilidade social entra também a mídia e suas vertentes. “É necessário que haja cuidado para não estimular um efeito contágio (conhecido também como Efeito Werther), que ocorre quando um indivíduo vulnerável reproduz o comportamento suicida de outro indivíduo”, diz a enfermeira.

Ainda segundo a OMS, atualmente cerca de 800 mil suicídios acontecem todo ano no mundo, por isso é importante que a mídia não transmita o ato de se suicidar como uma “simples”, sensacionalista e principalmente não divulgue a forma como a pessoa fez o ato.

Pereira alerta que qualquer conteúdo prejudicial, que seja visto nas mídias deve ser denunciado e retirado de toda plataforma.

Mas afinal, qual o lado bom?

Para Camila, a abordagem do tema na mídia deve ser “cuidadosa e responsável”, promovendo sempre o outro lado da moeda: bem estar, saúde mental e prevenção ao suicídio.

“A mídia pode abordar o assunto auxiliando na quebra de tabus e priorizando o cuidado, as redes de apoio, a educação sobre o tema e os serviços disponíveis”, diz.

Os canais de informações devem sempre ajudar a divulgar meios de ajuda às pessoas com transtornos psicológicos. Informações como CVV (Centro de Valorização à Vida), listas de serviços de saúde mental disponíveis e telefones e endereços de contato onde se possa obter ajuda, como os Centros de Atenção Psicossociais (CAPS) e grupos de apoio.

O Centro de Valorização à Vida tem a disposição o telefone 188 que você pode ligar a qualquer momento, pois ele funciona 24 horas por dia e sem custo de ligação. Além do telefone, você pode pedir ajuda por e-mail (https://www.cvv.org.br/e-mail) ou chat (https://www.cvv.org.br/chat).

Projeto InspirAção

Em Setembro de 2019, o CEPS (Centro de Educação em Prevenção e Posvenção do Suicídio) lançou uma iniciativa incrível: o site InspirAção.

Sem fins lucrativos, o projeto tem o objetivo de divulgar conteúdos que inspirem ações de cuidado, motivação, apoio e bem-estar para a valorização da vida e a prevenção do suicídio.

“A internet pode facilitar a comunicação de pessoas em risco de suicídio e dessa forma, há a necessidade de promover conteúdos atrativos para a prevenção do suicídio, informações e fontes confiáveis sobre a temática. O site pode ser acessado através do link https://inspiracao-leps.com.br, em caso de dúvidas, envie um e-mail para ceps@eerp.usp.br ou nos contate através do site InspirAção”, informa Camila.

Saiba mais sobre o assunto em:

InspirAção (CEPS): https://inspiracao-leps.com.br/

Centro de Valorização da Vida (CVV): https://www.cvv.org.br/

Organização Mundial da Saúde (OMS): http://www.who.org/

Safernet – http://www.safernet.org.br/

Instituto Vita Alere de prevenção e posvenção do suicídio- http://www.vitaalere.com.br/

A ComTempo encerra aqui esta série especial sobre saúde mental, esperando ter cumprido seu papel social de ajudar, informar e alertar às pessoas a procurarem ajuda, a  entender como procurar essa ajuda e, principalmente, a ajudar.

Não conseguiu acessar os episódios anteriores? Clique aqui e leia nossas reportagens exclusivas para a web.

Escrito por: Mariana Valverde
Edição de texto: Marcos Pitta

Fale com a gente!

Deixe uma resposta